Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Semana atribulada

por o que procuro, em 11.09.13

Marido sai de casa às 6h30 da manhã para ir para Londres. stop

Chega a casa depois das 20h. stop

Filho já está na escola. stop

Birras a partir das 17h . stop

Cansada, com sono e sem saber como vou chegar ao fim da semana. stop

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:56

The BBC Proms

por o que procuro, em 06.09.13

Constam de 8 semanas de concertos de música clássica, que decorrem predominantemente no Royal Albert Hall em Londres, durante o Verão, este ano entre 12 de Julho e 7 de Setembro.

 

Um sonho antigo do meu marido era assistir a um destes concertos e ontem foi o dia!

Fomos assistir a um concerto pela Orquestra Sinfónica de Milão, conduzida pela maestrina Xian Zhang e com algumas peças que contaram com a interpretação do tenor Joseph Calleja, as peças eram de Verdi e Tchaikovsky.

 

Sala cheia, muita gente jovem, muitas pessoas da geração mais velha, um respeito e um silêncio durante os concertos, uma organização fenomenal, a que já me habituei por aqui.

 

Gostei muito, não foi a primeira vez que assisti a um espectáculo deste género, mas nada desta envergadura!

A música clássica tocada ao vivo tem muito outro encanto, o tenor a cantar peças nossas conhecidas, foi para mim transcendente, aquela sala e o estar ali, foi mágico.

 

A cereja no topo do bolo estarem quase 30ºC em Londres e às 21h quando acabou o concerto conseguir-se andar de manga curta a passear nas ruas...

 

A repetir certamente!

 

A Orquestra e parte da sala
O resto da sala, cheia!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:13

Do fim do Verão

por o que procuro, em 05.09.13

Setembro já aí está, hoje ainda com 26ºC por aqui, um sol esplendoroso e quente, mas parece que será o último dia do Verão, segundo os senhores entendidos na matéria.

 

Amanhã preveem 14ºC de máxima, chuva a cair a cântaros durante algumas horas do dia...

 

É aproveitar ao máximo hoje, porque amanhã, regressa o fabuloso "british weather"!  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:07

Carta aos Monstros que nos visitam

por o que procuro, em 04.09.13

Ex.mos Monstros,

 

Sei que a vossa visita nocturna ao quarto do meu estimado filho, apenas serve para estabelecerem uma forte amizade com ele, contudo, a pequena criatura do alto dos seus quatro anos, ainda não percebeu que V. Exas. criaturas ternurentas, felpudas, verdes azuis e amarelas, são amistosas e apenas pretendem brincar, pois que cada vez que vos pressente ou vos vislumbra, corre para a nossa cama, que como calculam foi feita para duas pessoas e não três.

 

Este facto tem ocorrido demasiadas vezes nestas últimas semanas, pelo que posso concluir que a vossa estratégia de estabelecer uma relação de amizade com o meu filho não está neste momento a surtir nenhum efeito.

 

Assim, venho apelar a que mudem de estratégia, talvez mandarem uns monstros menos coloridos, mais risonhos e menos dados a gritos, ou simplesmente aparecerem nos sonhos dele e construírem legos juntos, ou descerem com ele no escorrega gigante com que ele sonha quase sempre.

Porque se continuam a assustá-lo a cada noite que passa, não só cresce o medo que ele já sente por cada um de vós, como aumenta drasticamente a possibilidade de eu vos esperar a cada noite, com uma rede de "caça monstros" e não vos deixar mais entrar nesta casa, fruto do estado de cansaço que prevejo atingir muito em breve que me fará perder o equilíbrio mental e físico, já por si debilitado.

 

Agradeço desde já a vossa melhor atenção às minhas recomendações.

 

Atentamente,

 

Uma mãe com poucas horas de sono...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 17:42

"A Gaiola Dourada"

por o que procuro, em 03.09.13

Assim que o li nos meios de comunicação acerca deste filme, pensei, tenho que ver, afinal retrata a vida de um casal de emigrantes portugueses dos anos 70 para Paris, quão similar é daquilo que vivi?

 

Com clichés ou sem, revi imenso dos meus dias, a minha mãe a puxar o carrinho das compras, também ela porteira num prédio, a tomar conta dos miúdos, passar a ferro a roupa daquelas famílias, limpar as casas, as escadas, os vidros. A fazer comida cedíssimo para o meu pai levar a marmita, também ele José, a trabalhar num "chantier"...tão real!

As fofoquices das vizinhas, os portugueses por todo o lado, se bem que no bairro onde vivíamos não havia muitos portugueses, alguns na nossa rua, com quem nem sequer nos dávamos, a forma estranha de falarem francês, o português atabalhoado e cheio de palavrões, nós os filhos, sem vontade de regresso...

 

E depois o confronto com a possibilidade de ir embora, que irá ser daquelas pessoas, para quem se trabalha, dos miúdos, da casa, de tudo, o que irão pensar?

 

Os meus pais regressaram, para uma quinta, comprada e cultivada com esforço, uma casa construída a pulso e a saúde da minha mãe já muito debilitada, aliás foi só por isso que eles vieram, as condições climatéricas de Portugal poderiam em muito ajudar a estabilizar a doença da minha mãe, ao contrário da já existente poluição da capital francesa.

 

Foi uma reviravolta nas relações, o não acreditar que eles viriam, o descrédito no património que eles possuíam, um sem fim de negociações.

Anos mais tarde regressaram em visita e verificaram que foram lindamente substituídos por quem soube fazer valer bem melhor os seus direitos e condições habitabilidade na "lodge", além de cada família ter seguido o seu caminho sem nunca terem perguntado o que teria sido feito da "Maria e do José"...

 

Julgo que no fundo foi disso que tomei consciência com o filme, de que nunca os meus pais (e tantos outros emigrantes daquela altura) foram respeitados enquanto pessoas, ou reconhecidos pelo mérito que tinham, eram apenas pessoas subservientes, que trabalhavam bem, que punham tudo o que eram e tinham no que faziam e apenas isso interessava aos patrões.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:41

Recomeçar

por o que procuro, em 02.09.13

Já está, cara lavada, minimalista, sem confusões nem floreados! {#emotions_dlg.blink}

Espero que gostem!

 

Ontem, pela primeira vez, ajudei na celebração da Missa, aqui na cidade inglesa onde moramos.

Em Lisboa, eramos paroquianos activos, eu visitava doentes a quem levava a comunhão, cantava no coro, o meu marido acolitava.

Por isso foi para mim estranho chegar aqui e estar simplesmente sentada a assistir à missa a cada Domingo, embora já nos tenham convidado para participar no coro, ainda me inibo de tal e com o Simão que não pára, sentado num local de fronte para a assembleia, não me parece.

 

Contudo, falámos com o Pároco e mostrámos a nossa vontade e disponibilidade de ajudar, ficaram com os nossos contactos.

Acabaram por me ligar em Junho a alertar que iriam fazer as escalas se continuávamos disponíveis.

Disse que sim e alertei para o facto de que iriamos de férias e que apenas um de nós poderia ajudar em cada Domingo, dado que não temos quem tome conta do Simão.

As escalas saíram e ontem seria eu a fazer parte da equipa que distribui a comunhão.

 

Desde logo uma diferença face ao que acontece em Portugal, cá pode comungar-se sempre das duas espécies (corpo e sangue) e não apenas na Quinta-Feira Santa como em Portugal, pelo que estão sempre quatro pessoas destacadas para cada eucaristia, duas distribuem corpo e sangue nas laterais e duas distribuem apenas o sangue na frente da Igreja.

 

A organização é patente por aqui, em tudo, desde logo as escalas que nos foram entregues, trazem o dia em que contam connosco, qual a posição que iremos ocupar e qual a espécie que iremos distribuir.

Traz também o que cada um deve fazer depois de distribuída a comunhão, nomeadamente regressar com tudo à sacristia, fazer a purificação e arrumar tudo nos devidos sítios.

 

Estava um pouco apreensiva, porque me calhou o sangue de Cristo, era a primeira vez que o fazia, além de que andar com um cálice acima e abaixo porque sou bastante mais baixa do que a mediana das pessoas por aqui, não facilitou. Para ajudar não me coloquei no sítio certo, mas houve quem simpaticamente me dissesse onde me deveria colocar.

O resto das senhoras que estavam comigo ajudaram-me posteriormente na recolha do cálice, explicaram-me onde tudo se arrumava, no fim ainda houve quem viesse dar-me as boas vindas e o Pároco agradeceu a boa-vontade.

 

Enfim, desvaneceu-se um pouco a ideia de que os ingleses são frios e distantes, ontem cruzei-me com pessoas muito educadas e afáveis, não sei se por fruto das circunstâncias e do local, o futuro o dirá! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:16

Em mudança

por o que procuro, em 02.09.13

Porque Setembro traz um novo recomeçar e o blog é o reflexo dos meus dias, vai também haver mudanças por aqui.

 

Em construção...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 13:15

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D