Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Atitudes dos outros

por o que procuro, em 11.09.09

Não há nada pior nas pessoas do que amuarem ( manifestação de enfado que se revela por um silêncio obstinado, e por se evitar de olhar para o seu causador.)

 

É possível num adulto esperar uma atitude destas?? Ficar chateado por um qualquer motivo e por muito válido que seja, não se trata de tirar razão ao motivo da zanga, amuar, não dizer nada, não falar com as pessoas sobre o que a chateia, pura e simplesmente ficar silencioso no seu cantinho, com cara de caso, qual beicinho que o meu filho já faz, quando não lhe dão a chucha ou o colo que ele pretende!!

 

Ó senhores, dêem aso à vossa zanga, falem, barafustem, ao menos a falar a gente resolve as coisas, agora assim, não consigo ir a lado nenhum... 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:14

A verdade sobre o Vírus H1N1

por o que procuro, em 09.09.09

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:14

Factos e constatações sobre a amamentação

por o que procuro, em 08.09.09

Pensei seriamente se deveria ou não escrever este post, pelo assunto em si, mas como há coisas que ninguém nos diz e só a experiência nos mostra, pode ser que sirva para alguém ficar mais elucidada quando fizer pesquisas na net, como eu também fiz, sobre a amamentação.

 

É um facto apregoado aos quatro ventos: o leite materno é o melhor para o bébé, não há nada melhor do que amamentar! Constitui-se como um alimento completo, que contém todos os nutrientes necessários, é de fácil preparação e digestão, tem também vantagens imunitárias, além do ponto de vista afectivo, dado que representa um contacto intímo entre mãe e filho, proporcionando ao bébé tranquilidade, segurança e bem-estar.

 

A amamentação será sempre apresentada desta forma idilica e romantizada. Contudo a realidade mostra-se mais dura e fria. Não nego nada do que é referido, mas a experiência prática mostrou-me que nem sempre é fácil, muito menos romântico.

 

Começa desde logo com  a necessidade do bébé ser incentivado a mamar nas primeiras horas após o nascimento, facto repetidamente ouvido e lido. Todavia nem todos os partos permitem que seja realizado na primeira meia hora, no meu caso apenas duas horas depois dele ter "saído" de dentro de mim. Conclusão, já a adrenalina com que ele saiu do meu ventre tinha serenado, estava sonolento, foi necessária muita paciência e persuasão minha e da enfermeira para que ele pegasse na mama, sem nunca se mostrar um processo fácil, dado que os bicos do meu peito também não ajudavam. Valeu-me a experiência de uma enfermeira que me recomendou a aquisição dos "bicos de silicone", para que ele pudesse pegar bem no peito.

 

A subida do leite, nos primeiros dias segregamos um liquido amarelado, denominado colostro, rico em proteínas, minerais e anticorpos, vital para o bébé e apenas apartir do 3º ou 4º, se evolui para o leite propriamente dito. Nesta fase, há uma superprodução de leite e mediante a quantidade que a criança mamar, assim o corpo estabilizará a produção do mesmo. Esta superprodução é denominada súbida do leite, pode provocar um calor súbito, febre, dores e até inflamação dos dutos. Convém por isso estar alerta e colocar a criança a mamar, assim que sentirmos algum sintoma.

No meu caso estava a ser observada por uma enfermeira, ainda no hospital, quando se deu conta que o leite tinha subido, dado o volume do peito. De modo a que não encaroçasse (inflamação dos dutos) mandou-me fazer pachos de água quente, tentar tirar algum leite manualmente e seguidamente fazer pachos de água fria, isto porque o Simão tinha sido amamentado à pouco.

Valeu-me a presença do marido que me ajudou, porque a fragilidade do pós-parto não me permitia estar de pé a fazer tudo sozinha.

 

Não há leites fracos, isso é outra realidade severamente defendida, toda a mulher tem capacidade para amamentar e todo o leite é válido, salvo raras excepções de probelmas de saúde que não o permitam. Até aqui tudo bem, o problema é quando o leite materno, apesar de saciar o bébé, não o faz engordar! O que aconteceu comigo, ao final do primeiro mês de vida, o meu filho não tinha recuperado o peso de nascença, assim, teve de tomar suplemento.

A partir do momento em que se apresenta o biberon ao bébé, a realidade da amamentação nunca mais será a mesma! Porque ele não precisa de fazer o mesmo esforço para se saciar, além de ser muito mais rápido do que o peito. Se nos primeiros momentos as coisas resultam, com o passar do tempo a criança vai percebendo as diferenças e acaba por mamar com muito mais relutância.

No meu caso pessoal, apesar de difícil, sempre fui conseguindo que ele mamasse, até que aos 3 meses ele rejeitou completamente o peito, ao ponto de desatar aos gritos, quando eu oinclinava nos meus braços para o pôr a mamar, o que resultou numa mastite, estive a antibiótico e ainda estou a tomar medicação para secar o leite.

 

Não sou contra a amamentação, acho que faz falta ao bébé, é das melhores coisas que nós podemos dar-lhe, além de ser um momento de partilha só nosso, (pode estar que estiver junto de nós, ninguém tem essa capacidade a não ser a mãe!), por mim, passava por tudo isto outra vez.

Não concordo é com a forma como tudo isto nos é apresentado, como se de algo fácil e natural se tratasse, tal qual cena de filme ou quadro de um pintor famoso, na verdade não é assim, há quem tenha mais ou menos problemas, mas certo é que são necessárias uma boa dose de paciência, calma e bom senso, o que na fase de puerpério e pós-parto, escasseia, mas com amor, tudo se faz!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:31

Voltei, voltei...

por o que procuro, em 07.09.09

Voltei, dos dias sem horários, longos, lânguidos, com sol, mar, bolos, caminhadas, muita conversa e partilha... Num êxtase que queremos que se prolongue, mas que sabemos ser impossível, por isso aproveitado ao máximo, para voltarmos com um olhar mais descansado e a alma mais leve para enfrentar a rotina.

 

Apesar de ter uma criança com 3 meses e de tudo o que isso implica (sair com a casa às costas, as rotinas de biberon, muda de fralda, dormir e banhos) da rejeição do peito e da consequente mastite, julgo que as férias correram bem, principalmente os últimos 5 dias, passados à beira mar, decididamente os melhores!!

 

Quero deixar um obrigada muito especial a alguém que nos permitiu aliviar ainda mais o espírito!

 

Agora, a rotina espreita além de alguns problemas para resolver!

 

Vamos a eles: carregar armas, apontar...FOGO!!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:19

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D