Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Da Família

por o que procuro, em 05.07.12

Cresci junto dos meus avós maternos, com a casa sempre cheia de familiares.

Mais tarde os meus pais regressaram de França e com eles os meus tios, não havia fim-de-semana em que não se fizessem petiscos, churrascos, magustos.

As festas eram todas lá em casa, a Páscoa, o Natal. Sempre muita gente, mesa farta, conversas soltas, gargalhadas.

 

O tempo foi passando, levou-me primeiro o meu avô e aí senti que as coisas esmureceram, seguiu-se a minha avó e foi o completo descalabro, por motivo de invejas, heranças e dinheiros, os meus pais acabaram sozinhos, com a casa vazia.

 

Descobri tarde que afinal tudo não passava de hipócrisias, de um querer saber nada saudável, apenas para se fazer ainda mais e melhor, de uma presença doentia e pouco acolhedora. 

Mas apesar de tudo vivo ainda agarrada aquele passado, aquele estar em família, à presença, da qual sinto imensa falta, embora em plena consciência saiba que nunca foi salutar, nem nunca o virá a ser...

 

Quando casei, encontrei outros pares, outra maneira de estar em família, de sentir, de partilhar e acolher.

Sou franca que não foi fácil para mim, não era aquilo a que estava habituada, no fundo não eram "os meus".

 

Num dos meus aniversários (31, talvez?) como os meus pais não puderam/quiseram estar comigo (novamente) resolvi que passaria o dia só com o meu marido, não quis estar com mais ninguém, não quis ver mais ninguém.

A minha sogra telefonou-me, disse que gostava de me entregar a prenda, expliquei-lhe o que sentia, ao que ela retorquiu "nós gostávamos de estar consigo, porque também somos a sua família".

Foram palavras soltas no momento, mas fizeram eco cá dentro...

 

Veio o casamento da minha cunhada e entreguei-me como se fosse o meu, depois o nosso mundo desabou e vi-os unirem-se como nunca e eu fiz parte de tudo isto, o melhor que soube e pude.

No meio disto tudo nasce o Simão e a presença deles e de cada um foi inestimável.

Agora, desde Outubro de 2011 que a nossa vida deu uma reviravolta de 180º e têm sido incansáveis.

 

Olho para trás e sinto que sempre me acolheram verdadeiramente, que aqui sim o estar, as conversas, as gargalhadas são verdadeiras.

Sei que as saudades são sentidas de ambas as partes, e que a ausência nos tem custado horrores a cada um.

 

Sinto que esta é verdadeiramente uma família e minha também, que está aqui sempre presente, nos piores e nos melhores momentos e que não se resume a umas mensagens enviadas por telemóvel, no Natal e nos aniversários, mas que partilha o nosso dia-a-dia.

E é disto que eu preciso e de quem agora, honestamente, sinto tanta falta.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D