Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A grande reportagem SIC - Safira

por o que procuro, em 30.10.11

Acabei  à pouco de ver a grande reportagem SIC, sobre Safira, acerca da qual já tinha postado um link com a reportagem da Revista Visão.

 

Ver em imagem toda esta luta, levantou-me algumas questões e observações:antes de mais a atitude dos pais, aberta e investigadora face à doença, não aceitaram benignamente aquilo que lhes foi dito pelos médicos, questionaram e muito o que lhes estava a ser transmitido e logo aí, se depararm com alguma oposição e má vontade, pelos seus questionamentos ou melhor, pelo pôr em causa de um protocolo médico, realizado sempre da mesma forma, independentemente da doença e do paciente.

 

A existência de tratamentos alternativos, que como foi dito por um dos médicos na entrevista, são completamente ignorados pela comunidade médica da especialidade e até mesmo vistos com relutância, justificando-se com a falta de estudos efectivos acerca dos resultados. Acontece que estes estudos não surgem pela falta de recursos para os realizarem, tendo em consideração que ao doente já cabe o ónus do pagamento do tratamento, decerto não sobram meios para financiar entidades, ditas independentes, para levarem a cabo estudos comprovativos da eficácia e eficiência daqueles.

 

Mais, o poderio das farmacêuticas e dos políticos, dificilmente deixarão surgir tratamentos, que se verificam menos agressivos para os doentes mas simultaneamente menos lucrativos para quem detêm um lugar de primazia no mercado da saúde no momento.

 

Talvez através de casos como este se estejam a concretizar pequenos passos, que nos levem e rever a forma como estamos a encarar as doenças, isso e o prémio nobel da medicina, abram novas portas...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:15


1 comentário

Imagem de perfil

De o que procuro a 31.10.2011 às 16:52

O foco da questão está no facto destes tratamentos alternativos, necessitarem de reconhecimento desta dita comunidade científica internacional, para serem comummente aceites e postos em prática.

Primeiro esta comunidade científica rege-se por valores monetários e por poderes políticos que não aceita facilmente outros protocolos e outras formas de tratamento, seja de que doença se trate; depois os estudos necessários para este reconhecimento são realizados por centros independentes que se fazem pagar a preço de ouro e estão controlados pelas farmacêuticas convencionais.

O que me questiono é se tudo isto retira a eficácia e a eficiência de tratamentos como o que a Safira foi sujeita, ou mesmo o que o Sr. Ralph Steinman se submeteu após a sua descoberta?

Sei que ainda não está comprovada a verdadeira cura com estes novos tratamentos, mas será que lhes darão margem para demonstrar tal facto?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D