Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Os vícios

por o que procuro, em 14.05.08

Já tive o vício do tabaco, em tempor idos, num acto de rebeldia (talvez o único) da minha juventude, depressa o larguei, com muito MEDO que o meu Pai descobrisse e passasse das ameaças (que me encobriam a alma) aos actos.

 

Passei anos, sem tocar num cigarro, sem sentir a mínima vontade, o cheiro incomodava-me. Mas há dois anos desta parte, num processo de redescoberta, ressenti a vontade de pegar num cigarro...

 

Tenho controlado a ânsia de o fazer, até porque o conjuge não acha piada nenhuma à conversa, mas principalmente porque surge em momentos de maior ansiedade e ângustia para mim... E o problema resolve-se percebendo o porquê desta vontade, e não fumando o dito cigarro.

 

Mas é estranha esta vontade, como se "dar uma passa" no cigarro, concentra-se nele todo o mal que sinto e o expelir do fumo, levasse para bem longe todos os problemas...

 

Contudo, sei perfeitamente que não vai ser nada assim, o primeiro terá um sabor horrível e seguir-lhe-ão outros, na tentativa vã de expelir, o que não pode ser atirado para fora de mim através de um cigarro...

 

Mas esta vontade...o que faço com esta vontade???

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:16


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Marisa Galante a 14.05.2008 às 21:04

Olá olá!
Que o teu marido não se aborreça com a minha opinião, mas eu acho que quem nunca fumou não sabe o que é isso...para grandes males há sempre um de reserva cá em casa!
Não gosto de estar em ambientes com muito fumo, mas confesso quando passo num dia de frio e com chuva por alguém e sinto o cheiro a tabaco, dá uma vontade de partilhar o vício! Sempre gostei de sentir o cheiro de algumas marcas de tabaco.
Viva a liberdade de cada um fazer aquilo que lhe dá prazer, tendo em conta o respeito pelos outros; as consequências são conhecidas por todos nós, por isso cabe a cada um escolher o que melhor é para si.
Acho que vivemos enclausurados no lema "não se pode porque faz mal"; não podemos comer doces por causa da diabetes, não podemos comer hamburguer com batatas fritas devido ao excesso de gorduras e de sal, não podemos apanhar sol porque faz mal, não podemos ingerir bebidas alcoolicas porque faz mal ao fígado, não podemos, não podemos, não podemos!
Mas podemos ser pessoas infelizes sem prazer de desfrutar um bom doce com um bom conhaque que não faz mal nenhum...
Beijocas.
Marisa Galante
Sem imagem de perfil

De Antero de Quental a 15.05.2008 às 21:48

Ver o segundo comentário de Antero de Quental, na opinião do Dr. António José Seguro, no jornal o Expresso, em:
http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/310373

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D