Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Portugal decrépito?

por o que procuro, em 15.09.14

Tenho algumas coisas para escrever sobre as férias, o tempo vai passando, mas não as esqueço, hoje com tempo, lembrei-me do aperto de coração que sinto cada vez que vou a terras lusas. Sinto Portugal decrépito!

 

Desta feita fomos à zona da Expo, levantar os cartões de cidadão, queria mostrar os "vulcões de água" ao meu filho, quando me dou conta que só um estava a funcionar, quer dizer, a deitar água constante, porque a explosão de água não aconteceu, nos largos minutos que ficámos ali à espera.

Tive medo que ele corresse no chão de madeira, porque havia falhas em todo lado, bocados levantados, os jardins estavam todos secos, sem uma amostra de verde. Sei que acabou a concessão à Parque Expo e que a Junta de Freguesia, conjuntamente com a Câmara Municipal, têm responsabilidade pelo espaço, mas parece que pouco têm feito.

 

São cada vez mais os espaços fechados e ao abandono, nas ruas por onde circulei, até mesmo nos centros comerciais, ia à procura de uma loja, já não existia, cheguei a comentar: "vamos lá ver se ainda está aberto". 

Vi lixo amontoado e por recolher nas ruas, estradas cada vez mais degradadas, sem falar nos passeios.

 

E as pessoas?

Tinha ideia de que eramos mais bem-dispostos e alegres, mas cada vez que volto dou-me conta que a "triste sina do fado português" é uma pura realidade intrínseca em cada um, as pessoas estão insatisfeitas, tristes, zangadas, com tudo e com todos. Não há uma conversa onde isso não se reflicta, já nem o "vai-se andando" nos vale.

 

Não é por ter saído de Portugal que me sinto melhor com tudo isto, antes pelo contrário, custa-me horrores ver ao que o país chegou, o que as pessoas estão a passar.

Li algures que quando emigramos há coisas que mudam em nós, entre elas verificar que Portugal podia ser um país desenvolvido de topo, não é por má governação consecutiva, acredito nisto piamente, porque vejo os contrastes, dou-me conta da forma como se fazem as coisas noutros países, nomeadamente em Inglaterra (e não estou a dizer que aqui é tudo perfeito...muito longe disso!), mas Portugal tem potencialidade e capacidade para mais e melhor.

Mas também verifico que com a crise financeira instalada e com compromissos institucionais assumidos, dificilmente haverá forma de dar volta à questão, não sou economista, nem política, nem pretendo sê-lo, sou apenas mais uma emigrante que cada vez que regressa a "casa" se recente muito por verificar o malogrado estado do país e essencialmente das pessoas.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:48



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D