Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Acabou-se!

por o que procuro, em 31.07.14

Foi ontem, o dia da última toma do medicamento anti-depressivo que tomei durante os últimos três anos e meio.

Esta fase do desmame foi muito complicada para mim, por tudo o que acarretou, afinal aquilo não passa de uma droga à qual o corpo se habituou e é um processo longo e difícil deixar de a tomar, de uma forma considerada saudável e possível para quem o faz.

 

Foi com relutância que comecei a tomar medicação para a depressão, não que não tivesse consciência do que era e do estado em que me encontrava quando iniciei a sua toma, mas pela adição que sabia que provocava, por tornar real aquilo que sentia e sobretudo pelo facto de não conseguir ultrapassar a situação por mim própria,  mesmo com a psicoterapia.

 

No início não se sente o efeito, a toma inicial também é feita gradualmente, deve tomar-se no mínimo durante 6 a 9 meses para que realmente faça algum efeito e fez, senti melhoras, bastantes, mas digamos que também tem o reverso da medalha, os efeitos secundários, o sono, mal-estar, irritabilidade. Se porventura acordasse durante a noite, estava sujeita a uma sensação de torpor, além de parecer que andava em cima de algodão ou rever sombras à minha volta, como se estivesse noutra dimensão.

Além de que a minha energia matinal e o bom humor se terem desvanecido consideravelmente.

 

Digamos que o desmame agravou esta sintomatologia e os últimos dias que tomei a medicação provocavam-me ansiedade e sofrimento, pelo mal-estar que me iriam causar.

 

Agora, acabou-se...

 

Não estou tranquila, antes pelo contrário, reconheço que agora terei de caminhar sozinha, sem coadjuvantes e sei que não vai ser fácil, a depressão é um estado e quem é diagnosticado sabe que as recaídas estão sempre à espreita.

Havia a possibilidade de ficar a tomar a medicação, numa dose muito reduzida, apenas para manter um certo equilíbrio, mas questionei-me muito sobre os benefícios de tudo isso, na medida em que com o desmame senti-me mais "eu", senti a realidade de uma forma nua e crua, como há algum tempo não vivenciava.

Isto por vezes é assustador! A questão está em arranjar estratégias que me permitam lidar com tudo o vivo e que há de vir, sem me deixar afectar, como deixei que acontecesse no passado...

 

Agora é viver um dia de cada vez, contar com o apoio incondicional do amor da minha vida, da minha psicoterapeuta e repetir em jeito de mantra a Oração da Serenidade:

 

 

oracaodaserenidade-completa.JPG

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:50



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D