Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Para quando o regresso?

por o que procuro, em 15.10.13

Falava com uma amiga no Facebook, de que tardo e tenho receio da minha integração por cá (no mercado de trabalho entenda-se!) porque na minha consciência, isso levar-me-á a a querer ou a ter de ficar.

 

Para mim isto é tudo um processo transitório, sem data de regresso definida, é certo, mas ainda assim transitório, saí do meu país porque não tínhamos condições de permanência com mesmo nível de vida que detínhamos até então. Os sacrifícios e as vicissitudes já eram alguns, o facto da creche do meu filho ir encerrar e a solução que queríamos para ele iria revelar-se ainda mais dispendiosa e depois o facto de apenas proporem ao meu marido projectos de trabalho no estrangeiro, com permanência de meses e regresso a Portugal esporadicamente, vieram apressar ainda mais a nossa saída.

 

O marido foi o primeiro a integrar-se, daí não entender falar-se em regresso, o meu filho começou agora a frequentar a escola que escolhemos para ele, com óptimos resultados quer de adaptação quer de aprendizagem, nem entenderia agora um volte-face em tudo isto.

 

Falto eu, agarrada às minhas gentes, com um sentimento de abandono de alguns e de perda de outros, ainda num misto de aceitação e de negação de tudo isto.

Se bem que este ano consecutivo aqui e o regresso a Portugal nas férias do Verão, durante quase um mês, tiveram um impacto muito negativo em mim, ou positivo depende do ponto de vista, no que se refere a tudo isto.

Visitei um país deprimido, cansado, sem um sorriso no rosto como era habitual, as ruas pareceram-me mais sujas, degradadas, lúgubres, como se o sol que brilha tantos dias a fio por lá já não fizesse grande diferença nas pessoas e nos locais.

As conversas rodavam sempre à volta do mesmo: dos sacrifícios, da crise, dos políticos, do triste fado português... 

Nunca me senti tão mal por sorrir, por estar feliz e contente, afinal estava de férias e para mais com os que amo, mas isso não foi bem visto por muitos, nem entendido por outros tantos, como se não tivesse direito a isso.

Houve quem respondesse a isso com ataques dissimulados e questões pertinentes acerca de eu continuar "enfiada em casa a tomar conta do filho" e "que era fácil virar as costas ao país neste estado", como se o hastear da bandeira destas dificuldades me fizesse sentir culpada pelo sorriso no rosto.

 

Regressei, sozinha com o meu filho, pus o pé neste país, com pessoas sorridentes, bem-dispostas, educadas reencontrei-me com conhecidos de cá e pensei que a diferença era e é abismal.

Voltei ao meu espaço, reorganizei a minha rotina e tomei consciência que faz cada vez menos sentido regressar, pelo menos enquanto esta nuvem negra da famigerada crise se mantiver, na economia e nas pessoas.

 

Só me falta conseguir integrar o mercado de trabalho, para me sentir mais de cá e gostar de estar mais aqui, porque lá, agora...agora não dá!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:22



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D